domingo, 19 de outubro de 2014


A Teia de Hélia Correia

Um pequeno texto, uma minipeça de teatro em que as personagens intermutáveis se confundem e misturam a ponto de as intervenções não serem, em larga parte do enredo, atribuídas a ninguém em particular.
A peça pode ser lida como uma alegoria ao sistema político português em que se enfrentam duas forças malévolas que fazem da perseguição mortal aos seres humanos mais fracos e desprotegidos o seu objetivo.
De um lado as aranhas que sufocam as vítimas na sua apertada teia invisível do outro os vampiros que sugam o sangue dos seus alvos. Aparentemente os vampiros são mais perigosos e poderosos.

Sem comentários:

Enviar um comentário